O que é Produção mais Limpa P+L e Como reduzir custos com ela?

Conceitos são importantes para serem aplicados na gestão e para melhorá-la. Isso não é diferente para a P+L (produção mais limpa), que pode trazer benefícios financeiros, ocupacionais e ambientais.

Durante muitos anos, as indústrias não se preocupavam se a globalização, a produção em larga escala ou as mudanças nos padrões de consumo iriam afetar direta ou indiretamente o meio ambiente.

Pois acreditava-se que o crescimento econômico bastaria para proporcionar melhores condições de vida para a sociedade, ou seja, passou-se a usufruir dos recursos naturais como se os mesmos fossem inesgotáveis e durante muito tempo, o processo de degradação ambiental aumentou significativamente.

No entanto, eis que surge a necessidade da gestão desses recursos naturais.

Essa gestão surgiu com o intuito de obter resultados positivos e boas práticas, além de buscar de ferramentas para o gerenciamento e gestão nas empresas.

O quadro abaixo mostra a evolução da mentalidade que as empresas tinham em relação ao meio ambiente.

Evolução da Mentalidade Ambiental.

E dentre essas ferramentas surge a Produção mais Limpa (P+L).

O que é Produção mais Limpa (P+L)?

A P+L é a aplicação contínua de uma estratégia ambiental integrada e preventiva para processos, produtos e serviços, para aumentar a eficiência global e reduzir os riscos às pessoas e ao meio ambiente.

Segundo Silva Filho e Sicsú (2003):

Como estratégia aplicada à Gestão Ambiental, a Produção Mais Limpa (P+L) é indicada como uma ferramenta que possibilita o funcionamento da empresa de modo social e ambientalmente responsável, ocasionando também influência em melhorias econômicas e tecnológicas, em outras palavras, a A P+L aplica uma abordagem preventiva na Gestão Ambiental.

Produção mais Limpa.

Essa ferramenta visa trabalhar em melhorias contínuas nas operações da empresa, qualquer que seja sua área (de manufatura, de comércio, de serviços, além do setor primário), onde busca solucionar os problemas de ordem técnica e ambiental, demandando baixo investimento e reduzindo custos para a empresa.

Esta ferramenta, aplica-se a:

  • Processos;
  • Produtos; e
  • Serviços.

Sendo que, aos processos, atuam através da conservação de matérias-primas, água e energia, eliminação de matérias-primas tóxicas e redução na fonte da quantidade e toxicidade das emissões e dos resíduos gerados.

Já aos produtos, por meio da redução dos seus impactos negativos ao longo de seu ciclo de vida, desde a extração de matérias-primas até a sua disposição final.

De acordo com a UNEP (citado por Silva Filho e Sicsú, 2003):

Para a Produção Mais Limpa, todo resíduo deve ser considerado um produto de valor econômico negativo. Portanto, a produtividade e os benefícios financeiros da empresa podem ser alavancados pela redução do consumo de matéria-prima, água e energia ou pela redução ou prevenção da geração de resíduos.

E quanto aos serviços, a P+L trabalha pela incorporação das questões ambientais em suas fases de planejamento e execução, fazendo parte das Práticas de Prevenção à Poluição (P2).

Práticas de Prevenção a Poluição (P2)

A Prevenção à Poluição (P2), ou redução na fonte, é  definida como o uso de práticas, processos, técnicas ou tecnologias que evitem ou minimizem a geração de resíduos e poluentes na fonte geradora.

Podendo incluir ainda outras ações, que vão desde: modificações nos equipamentos, nos processos ou procedimentos e substituição de matérias-primas podendo até resultar em um aumento na eficiência de uso dos insumos.

Por que implantar P+L?

A implantação da P+L nas empresas auxiliada pelas práticas de prevenção à poluição atua em várias frentes, desde a mudança na matéria-prima até a alteração das tecnologias utilizadas.

Todas elas têm um único objetivo, contribuir com melhores desempenhos em áreas estratégicas da função produção.

Fonte: UNEP, 2015.

Quanto posso ganhar com a P+L?

Essas práticas, mudanças e ações visam atender a um único objetivo, reduzir custos e resíduos as empresas.

Um exemplo de economia foi da empresa ERPRESS Etiquetas, situada no estado de São Paulo, que fabrica etiquetas autoadesivas. Em seu processo, a empresa utilizava silicone como matéria-prima e durante um ano, após o início das atividades da fábrica, sempre foi usado silicone à base de solventes orgânicos.

No entanto, em função das características da matéria prima (solvente orgânico), ela ocasionava problemas ocupacionais e gerava desconforto, devido à emissão de odor, à população vizinha.

Com a implantação de medidas de prevenção à poluição e a implantação da P+L na empresa, ela substituiu o silicone à base de solvente orgânico pelo silicone à base de água.

A quantidade de silicone usado se manteve e não houve necessidade de ser realizada nenhuma mudança operacional ou de equipamento, sendo que a empresa inclusive continuou usando o mesmo cilindro de aplicação.

De acordo com a Amorim e Ribeiro (USP):

“A mudança realizada não exigiu nenhum investimento. Além do mais, o silicone à base de água é mais barato, o valor da quantidade necessária para a siliconização de 100.000 m2 de papel é de U$ 2500, enquanto que o valor da quantidade equivalente do silicone à base de solvente orgânico é U$ 3000, uma economia de quase 17%”.

Além da economia, a empresa obteve melhoria na qualidade do produto, no que se refere a destacar o papel adesivo e a eliminação dos problemas com a CETESB e com a vizinhança; a eliminação dos riscos associados ao armazenamento do solvente; o fim das emissões odoríferas para a atmosfera, bem como o fim do uso de solventes orgânicos no processo.

Outro exemplo de economia, foi o que aconteceu com a 3M do Brasil, situada em Sumaré (SP). A empresa produz mais de  36.500 toneladas de produtos diversos (adesivos, abrasivos, tapetes de PVC, esponjas de poliuretano e produtos médicos).

Em média, a empresa gerava 46.000 m2 por mês de um resíduo composto basicamente por retalhos, este oriundo da produção de tapetes de PVC. Inicialmente os retalhos eram vendidos para reciclagem.

Mas com as práticas da P+L, a empresa começou a reutilizar os resíduos
para produzir tapetes personalizados, investindo inicialmente  U$3000 com facas especiais para cortar e trabalhar os retalhos.

No entanto, a empresa passou a fabricar 14.400 tapetes de PVC personalizados por ano, gerando uma receita anual extra de U$35.700.

Esses dois exemplos mostram como a P+L pode auxiliar a sua empresa a melhorar seu processo produtivo e ainda sair ganhando, tanto financeiramente quanto ambientalmente, contribuindo para um desenvolvimento sustentável.

Podemos concluir que a Gestão Ambiental traz como benefício para as atividades empresariais:

  • Redução de custos da empresa;
  • Cria uma boa imagem dela;
  • Desenvolve novas oportunidades de negócios;
  • Entre outros.

Dessa forma, vimos que a  Produção Mais Limpa se insere nesse contexto como sendo uma alternativa viável no combate dos problemas ambientais das empresas.

E você, já utilizou práticas de P+L em sua empresa? Se sim, compartilhe seu case de sucesso nos comentários abaixo.



Clique na figura abaixo e assine nossa lista de emails para receber nosso ebook "Como criar mapas de localização com ArcGIS 10.x".


Author: Émilin CS

Engenheira ambiental. Têm experiência na área de saneamento e gestão ambiental, buscando soluções usando QGIS e Bizagi. Atua na área de modelagem matemática para rompimento de barragens com software HEC-RAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *