Por que Ocorrem Acidentes em Barragens? Como elas se rompem?

Saiba por que ocorrem os acidentes em barragens, seus principais fatores e entenda um pouco mais sobre o desastre em Mariana (MG) e outros rompimentos ao redor do mundo.

Em maio deste ano foi publicada a Portaria nº 70.389, do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). De acordo com esta Portaria, compete ao empreendedor:

  • Cadastrar sua barragem no Cadastro Nacional de Barragens de Mineração;
  • Implantar sistema de monitoramento de segurança de barragem;
  • Realizar inspeções na barragem periodicamente;
  • Realizar revisões dos documentos relativos à segurança da barragem; e
  • Desenvolver mapa de inundação por meio de modelagem de rompimento da barragem.

A Portaria do DNPM também estabelece que o empreendedor deve apresentar simulação do pior cenário de rompimento de suas barragens, por meio de softwares de modelagem matemática.

Diante de tantas especificações, é importante sabermos por que elas foram impostas, por que realizar inspeções rotineiras? Como ocorrem as rupturas de barragens de mineração?

Porém, vamos começar com uma pergunta mais simples: O que são barragens?

Barragens são definidas como um elemento estrutural construídas principalmente para o armazenamento ou gestão da água (irrigação, energia hidrelétrica e/ou controle de inundações) ou ainda para o armazenamento de rejeitos oriundos dos processos industriais e minerais.

Tipos de Barragens.

São estruturas complexas, de risco e potencial elevados que, em caso de incidentes ou acidentes, resultam em consequências custosas com danos significativos.

Leia também: Quais os impactos de um rompimento de barragem?

No caso das barragens de rejeitos (de mineração), elas devem seguir critérios e recomendações do Departamento Nacional de Proteção Mineral (DNPM) por meio da Portaria nº 70.389, já citada acima.

Fatores relacionados ao Rompimento

Podemos associar dois principais fatores que podem ser
apontados como causa primária desse evento, os quais são:

  • O advento de um fenômeno natural, intenso, responsável por abalar a estrutura da barragem; e/ou
  • A falta de planejamento dessa estrutura que, independentemente de fatores externos, entra em colapso em razão dos erros de cálculos dos técnicos responsáveis.

No caso de um rompimento por fenômeno natural, podemos classificar o rompimento como um desastre misto, ao passo que na ausência de força externa (evento natural), classifica-se como desastre tecnológico.

Esse desastre misto ocorre quando há uma somatória entre forças da natureza e falhas na tecnologia humana como causa primária de um desastre.

É o que ocorre, por exemplo, quando grandes tempestades ou terremotos contribuem significativamente para o rompimento de uma barragem.

Já a falta de planejamento, deriva exclusivamente de uma falha na tecnológica humana implantada, sendo um dos principais casos do rompimento de barragens.

No Brasil, o rompimento de barragens de rejeitos minerários é o mais recorrente (comparando-se com barragens de água). A figura abaixo mostra o esquema de uma barragem de rejeito.

Como funciona uma Barragem de Rejeito.

É importante frisar que a nova legislação de barragens do DNPM e as demais cobranças tornaram-se mais rigorosas, isso devido ao rompimento da Barragem da empresa Samarco, no distrito de Mariana – localizada em Minas Gerais, que ocorreu em 2015.

Barragem de Rejeitos em Mariana

O rompimento da barragem provocou o vazamento dos rejeitos de mineração de ferro, o que impactou cidades, os recursos hídricos, formas de vida (flora e fauna) e vidas humanas.

Muito se discutiu quanto aos reais motivos do rompimento da barragem, se estes foram oriundos de causas naturais ou por falha técnica, devido à falta de fiscalização e controle da barragem.

Segundo o relatório disponibilizado pelas empresas envolvidas, o rompimento é o acúmulo de vários “eventos e condições, tais como:

  • Problemas de drenagem;
  • Liquefação do material; e
  • Acúmulo de lama onde deveria ter rejeito arenoso.
Barragem de Fundão (conforme fundaoinvestigation.com)
Barragem de Fundão (conforme fundaoinvestigation.com)

Segundo os especialistas, o acidente poderia ter sido evitado, se tivessem ocorrido fiscalizações, realizados laudos de estabilidade de talude e vistorias mais precisas.

Pois os problemas na barragem, como as trincas ou o acumulo de lama no maciço, não ocorreram de uma hora para outra, ou seja, são eventos e situações que foram ocorrendo ao longo dos anos.

Segundo Duarte Júnior, prefeito de Mariana:

O prejuízo com o rompimento é de ao menos R$ 100 milhões, incluindo perdas de infraestrutura, dano ambiental, pontes levadas e escolas que foram destruídas.

Além dos prejuízos já citados, outros problemas também podem surgir, tais como doenças em função da ingestão significativa e contato com o pó do rejeito do minério.

Mas não é apenas no Brasil que esses rompimentos ocorrem, na Europa, Ásia e América do Norte, muitas barragens de água e de rejeitos se romperam no último século.

Veja a lista completa das barragens de água em diferentes países clicando aqui. Ou se preferir barragens de rejeitos, clique aqui.

Outros acidentes com barragens de mineração

Um artigo publicado no Journal of Hazardous Materials por Rico et.al (2008) chamado “Floods from Tailings Dam Failures” (Inundações de rompimentos de barragens de rejeitos) levantou diversas barragens de rejeito rompidas entre os anos 1965 e 2000, em diferentes países.

O objetivo do estudo foi estabelecer correlações simples entre parâmetros geométricos (tais como altura e volume) e as características hidráulicas da ruptura da barragem.

Os rompimentos mais antigos apresentados no artigo são de 1965 e aconteceram no Chile, nas barragens de:

  • Bellavista;
  • Cerro Negro Número 3;
  • Velha barragem El Cobre;
  • Nova barragem La Patagua; e
  • Los Maquis.
Rompimento de barragem na Romênia.
Rompimento de barragem na Romênia.

E o mais atual foi em 2000 e ocorreu na barragem de Baia Mare na Romênia.

O artigo apresenta também, o rompimento de uma barragem brasileira, a barragem de Itabirito, que ocorreu em 1986.

As principais causas levantadas para os rompimentos das barragens listadas no artigo foram:

  • Enchentes;
  • Erosão interna (piping);
  • Transbordamento;
  • Liquidificação; ou
  • A combinação deste fatores.

Prevenção é o melhor negócio

Um bom planejamento deve sempre ser levado em consideração. Tal planejamento envolve desde a implantação da barragem, onde será construída, avaliação dos riscos, relatórios de estabilidade, modelagem computacional até o levantamento da populações do entorno (e jusante), legislações, controle e fiscalização.

Além dos fatores e riscos ambientais e o custo que a empresa irá arcar com o rompimento de sua barragem, há ainda o risco com vidas humanas, este quase impossível de ser revertido.

Por isso planeje, fiscalize e contrate empresas sérias para a realização desses estudos.



Clique na figura abaixo e responda nosso questionário para receber nosso ebook "Como criar mapas de localização com ArcGIS 10.x".


Author: Émilin CS

Engenheira ambiental. Têm experiência na área de saneamento e gestão ambiental, buscando soluções usando QGIS e Bizagi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *